Você sabe o que tem dentro do seu colchão?

Essa é uma pergunta que todo consumidor deveria fazer antes de comprar um colchão, pois existem colchões com diferentes materiais em seu interior.

Um dos enchimentos que tem sido muito utilizado atualmente é o EPS, que é na verdade Poliestireno Expandido, popularmente conhecido como Isopor®. Isso mesmo, hoje em dia temos muitos colchões no Brasil recheados com Isopor® e a maioria dos consumidores não sabe disso.

Por isso o Pró-Espuma, que sempre trabalhou para melhorar a qualidade do sono do brasileiro, está lançando esta campanha de alerta.  Aqui você vai conhecer as diferenças entre EPS e Espuma e entender porque é importante escolher corretamente o seu colchão.

Já pensou em dormir em uma placa rígida de EPS?
Quando um colchão é constituído por uma placa de EPS espessa com uma camada muito fina de espuma por cima, perde-se a capacidade de adequação da curvatura natural do nosso corpo, gerando desconforto e possíveis dores musculares.

Além disso, um colchão com placa de EPS muito espessa pode quebrar quando dobrado ou quando submetido à grandes impactos.

Pela norma brasileira para colchão de espuma ABNT NBR-13579, um colchão 100% espuma tem que ter pelo menos 12 cm de altura. Em colchões com placas de EPS, muitas vezes encontramos uma camada de espuma inferior a 5 cm, ou seja, para dar a impressão de ser um colchão alto e de qualidade coloca-se uma placa de EPS de 10 cm ou mais com uma fina camada de espuma por cima. Consequentemente, em pouco tempo de uso, essa espuma pode deformar e você estará praticamente dormindo sobre a placa rígida de Isopor®.

EPS não é uma espuma flexível!

É somente a qualidade da ESPUMA que garante o sono ideal
EPS
Utilizado em colchões somente para diminuição dos custos de fabricação
Diminui a qualidade e a durabilidade do produto final
Placa rígida que não permite acomodação da curvatura da coluna
Mais leve, porém não é um produto flexível e pode quebrar
Espuma
Diferentes densidades de espuma para atender cada biotipo
Qualidade superior e maior durabilidade do produto final
Permite uma acomodação correta da coluna
Proporciona maior conforto e melhor qualidade do sono

Então, por que se usa EPS em colchão?

O Brasil é um dos únicos países do mundo que utiliza EPS como suporte ou “enchimento” de colchões. Isso ocorre, principalmente, para redução do CUSTO de fabricação do produto, pois as matérias-primas utilizadas na produção da espuma de Poliuretano seguem os preços do mercado internacional e por isso, alguns fabricantes buscam opções mais econômicas para os colchões. A desvantagem é que o EPS não tem nenhum benefício comprovado de melhoria da qualidade do sono, então o colchão fica mais barato, mas a qualidade é muito pior!

Por isso, é importante que esteja claro para o consumidor quando um colchão é 100% espuma e quando ele é um produto mais barato porque tem placas de EPS.

Também é importante saber que EPS, é na verdade Poliestireno Expandido, popularmente conhecido como Isopor®.

Infelizmente essa informação não é revelada para quem está comprando!

Fique atento, ao comprar um colchão pergunte sempre qual a sua composição e confira a etiqueta, se esta tiver a sigla EPS você já sabe que é um modelo com placa de Isopor®.

Veja diferença na composição do colchão.
O INER não certifica colchões com Enchimentos

O Certificado PRÓ-ESPUMA está presente SOMENTE em colchões 100% espuma e 100% espuma e mola, pois não existem benefícios comprovados em colchões com EPS. Por isso, os produtos com o nosso certificado tem qualidade superior.

Aqui você pode confiar!